23.10.12

Go Vegan!



Incorporar na sua vida, na sua rotina uma nova ideia, que compromete tudo aquilo que um dia foi, acreditou ou pensou, trás junto à necessidade de se entender realmente esse novo caminho, essa nova jornada e seus desafios.
Como indivíduos pertencentes a um desenvolvimento humano sócio-cultural, muitas das nossas práticas e hábitos são simplesmente repetidos, copiados rotineiramente. Essa rotina, esse habito dos nossos costumes nos torna repetidores de ações fazendo com que pouco pensemos, refletimos, ou questionamos velhos hábitos.
Quando isso acontece, quando pensamos sobre algo comum e julgamos não estar certo e rompemos com isso, trás a necessidade de mais do que saber da verdade, poder viver essa verdade e trazer isso para a nossa nova rotina e jornada, muitas vezes (na maioria) não é nem um pouco fácil de ser trilhada, principalmente quando esse caminho, é um caminho que irá mexer não só com a sua vida, mais também nos conceitos e hábitos de todos a sua volta, é mexer com algo cômodo e adormecido na vida das pessoas. É impossível ser uma trajetória fácil de percorrer.
Assim, começa a difícil jornada Vegan, para o mais novo adepto da ética e respeito com o princípio básico de não consumir ou infringir dor, e ser responsável por isso na vida de qualquer Animal que seja, seja ele Humano ou Não Humano.
Nesse meu caminho, nessa minha escolha pela verdade do que acontece por trás da nossa industria alimentícia, e de que um matadouro não é um passeio no parque, e nem tão pouco algo natural no qual deve ser aceito, percebo que ser Vegan, não é apenas uma escolha, mais um dever. A responsabilidade para nós Seres cientes do privilégio de raciocinar é de agir contra aquilo que nosso entendimento, compreensão, ética, respeito, moral, empatia e afeto nos apontam como algo falho, errado e que não é coerente com nossas leis de harmonia e respeito.
Nesse caminho, encontro pessoas que de varias formas se tornaram adeptos da idéia Vegan, mais percebo sempre as mesmas questões e dificuldades, sempre me apontam a absurda dificuldade de abrir mão de antigos vícios e ‘tentações’ e sempre me perguntam como faço para que a determinação sobre ser Vegan seja tamanha, aponto de não existir (ou tentar não existir) falhas dentro da ideia e da causa da Libertação Animal Humana e não Humana.
Sempre digo que a partir do momento que você consegue abrir mão por alguns instantes do teu Ego, sair por alguns minutos do teu umbigo e se colocar no lugar do outro, não existirá tentações o suficiente que te fará retroceder. Quando existir dentro de você a real compreensão do que é o dever Vegan e de que nada, nem ninguém poderá viver por você, sentir por você, perceber por você, ou agir por você, mais que sim, suas atitudes suas ações atingem muitas e muitas milhares de outras vidas e que só você pode fazer alguma coisa, aí sim, não existirá duvidas do caminho que trilha, e nem temores das supostas ‘tentações’, porque o que um dia julgou que para você seria difícil abrir mão, no instante em que compreende a sua responsabilidade e a tamanha crueldade, não conseguirá ver aquele teu habito que abre mão como algo que está sacrificando, mais sentirá dentro de ti uma paz, de não estar mais sendo enganado ou se enganando, e não estará mais participando e sendo conivente com tamanha crueldade com os Animais, e aquele cheiro, um dia tentador, se transformará para ti, cheiro de sangue trazendo uma história de dor, abuso, exploração, violência, crueldade e morte.
E aí começará a sua Libertação dentro daquilo que um dia te enfiaram goela baixo, e poderá e deverá se indignar com as mentiras postas e ensinadas, e perceberá que tua voz, tua força e tua luta, não será só tua, e nem assim tão solitária, mais que compartilha e se soma com vozes de uns que gritam, ou com o silêncio do medo de outros, mais que sua jornada estará apenas começando, e que ela é de grande importância para os que não têm a chance de se indignar ou de serem ouvidos, como assim fazemos quando simplesmente nos indignamos e queremos dizer e deixar claro que: BASTA!