26.4.10

Evento: Inserção de opção Vegetariana - RU/UECE

Participação: Vegan Staff.com - Ceará
Evento: Inserção de opção Vegetariana - RU/UECE
Data: 2010

PROJETO: RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO / UECE - Universidade Estadual do Ceará - A OPÇÃO VEGETARIANA (1).

1. O QUE É A OPÇÃO VEGETARIANA?

Para quem almoça no Restaurante Universitário, o mais acessível pelo preço e qualidade, existe uma distorção de acesso entre o público frequentador. O grupo vegetariano não tem tido o seu direito de usufruir do serviço prestado com a mesma possibilidade que o público onívoro. E apesar de termos plena consciência de que se trata de um demanda menor em números absolutos, essa minoria tem as mesmas cumprem com as mesmas obrigações de carga horária na Universidade, devendo então ter os mesmos direitos ante a administração da Assistência Estudantil.

É sabido que todos necessitam de uma alimentação adequada, tanto em nutrientes diários como em diversidade de alimentos, e nesse ponto, o cardápio oferecido atualmente no R.U deixa a desejar. Sobretudo a quem optou por uma alimentação diferenciada, visto que, diferente do que pensam alguns, a opção vegetariana não representa apenas a ausência da carne.

A inclusão da opção vegetariana não exclui a já existente do cardápio, inclui mais uma opção e se volta àqueles estudantes, professores e funcionários que se utilizam dos serviços do Restaurante e que professem o vegetarianismo ou que assim o declare.
A opção vegetariana significa: servir pratos vegetarianos para que se garanta a um público determinado o acesso ao Restaurante Universitário. Significa estender a quem escolheu o vegetarianismo como ética pessoal, o direito a uma refeição digna.

O foco é a garantia do direito a uma alimentação adequada para todos, independente da escolha alimentar. E para isso queremos a opção vegetariana. Para que o R.U se torne realmente um espaço comum, para todos nós, estudantes onívoros, vegetarianos, veganos, crudívoros ou desnutridos.

A iniciativa da reiinvidicação pela opção vegetariana no Restaurante Universitário da UECE surgiu da necessidade e vontade dos estudantes, de diversos cursos, que desejam se alimentar dignamente, dentro da estrutura do Restaurante Universitário, motivados por ideais éticos, morais, religiosos ou mesmo de saúde.


Muitas universidades brasileiras já contemplam seus estudantes com a opção alimentar vegetariana, sendo algumas delas a UNB (Universidade de Brasília), a UFC (Universidade Federal do Ceará) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
O que se pauta nesse projeto é a inclusão da Universidade Estadual do Ceará (UECE) nesse quadro de instituições que respeitam a diversidade dentro das dietas alimentares dentro dos seus Restaurantes Universitários.

E nesse sentido, desde o dia 1° de julho do ano de 2009, existe uma comissão formada por estudantes da UECE que se organizam para tornar a opção vegetariana uma realidade. Desde então tem sido organizados eventos como debates, almoços comunitários, cine-eventos e um abaixo-assinado que coletou assinaturas de aproximadamente 2.500 estudantes, que apóiam a causa. Foi até iniciado um cadastramento de vegetarianos para que tivéssemos a dimensão correta do público alvo, e da demanda que estamos aqui tratando. Infelizmente esse cadastramento foi insuficiente, pois não alcançou o campus Itaperi e o Centro de Humanidades a contento. Ficando estagnado entre 50 a 65 nomes.

2. PARA QUE SERVE OUTRA OPÇÃO NO CARDÁPIO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO?

2.1 Diversificação e Reeducação Alimentar e ambiental:

Considerando que o hábito de uma alimentação saudável e balanceada deveria ser a meta de todos, a opção vegetariana é por si só auto-explicativa nesse quesito. Sabemos que não é raro encontrar pessoas que simplesmente não criaram o gosto pela diversidade e pela variação dos alimentos que consome, no mundo atual, com redes de lanchonetes, desigualdade social gritante, a oportunidade para se alimentar adequadamente tem sido o desafio para todos nós, trabalhadores ou futuros trabalhadores sem a remuneração adequada, que sem o tempo devido acaba se descuidando da alimentação no dia a dia.

2.1.1 A alimentação vegetariana é ecologicamente sustentável:

A pecuária é uma das maiores causadoras de impactos negativos no meio ambiente, pois depende diretamente de grandes extensões de terra para a criação de animais e de pasto, além de consumir grandes quantidades de água, grãos, combustíveis fósseis, pesticidas e drogas para existir e gerar lucro.
Para a formação de pastos, florestas tropicais e outras áreas naturais são destruídas. As conseqüências da pecuária para o meio ambiente são inúmeras: degradação dos ambientes naturais, extinção de espécies, erosão do solo, escassez e contaminação de águas, desertificação, poluição orgânica, efeito estufa, etc.

Grande parte do milho e da soja produzidos no mundo são destinados à fabricação de rações e praticamente todas as exportações brasileiras destes produtos destinam-se a este fim. Se esses grãos fossem utilizados diretamente na alimentação de seres humanos, a cifra seria suficiente para acabar com a fome no mundo.

Uma área capaz de sustentar um único indivíduo consumindo carne poderia sustentar entre 12 e 30 indivíduos consumindo alimentos vegetais diversos. Uma alimentação exclusivamente vegetariana é compatível com a manutenção de florestas e outras áreas naturais, por otimizar o processo produtivo e não demandar grandes quantidades de recursos.

2.1.2 O vegetarianismo no Brasil

O interesse pelo vegetarianismo no Brasil é crescente. Recentemente em pesquisa do Instituto IPSOS, 28% da população brasileira declarou que quer “comer menos carne”. Não existem dados estatísticos exatos sobre esses números, mas a procura pelo assunto é crescente e significativa, o que mostra o interesse crescente, pelos mais diversos motivos, sendo que os debates sobre o futuro prático do planeta dentro da dimensão sustentável tem sido uma forma de trazer a dimensão ecológica do ato de comer para muitos debates de dimensões variadas das relações do cotidiano humano.

No Ceará, dentro da realidade vivida na Universidade Federal do Ceará, temos a experiência que foi veiculada no site da referida Instituição, datada do dia 26 de Fevereiro de 2008. A notícia é que após a implementação da nova opção, a procura pelos pratos vegetarianos no Restaurante Universitário foi maior do que a esperada. A previsão inicial era de 100 pratos/dia, divididos entre o refeitório do Pici e o do Benfica.

No entanto surgiu uma demanda maior que a prevista, pois na primeira semana foi necessário aumentar as refeições vegetarianas em 50%, e mais 50% na semana seguinte, dobrando a oferta vegetariana. Segundo a própria Diretora do RU, Tânia Maia. Após esse fenômeno fez se necessário um cadastramento que facilitou o planejamento do número de refeições a serem servidas. A oferta das demais guarnições permaneceu a mesma, ficando a opção da carne representada por uma equivalente vegetariana.

2.1.3 Saúde e alimentação

Resumidamente, podemos expor alguns benefícios de uma alimentação vegetariana em virtude das patologias que são minimizadas por quem segue a dieta vegetariana. A Associação Dietética Americana resume estes benefícios da seguinte forma:

•Redução das mortes por infarto (doença cardíaca isquêmica) em 31% em homens vegetarianos e 20% em mulheres vegetarianas (estudo com 76 mil indivíduos).
•Redução de até 50% do risco de apresentar diabetes nos vegetarianos.
•Níveis sangüíneos de colesterol 35% mais baixos em veganos do que em onívoros.
•Redução da incidência de obesidade, um problema mundialmente preocupante
•Os não vegetarianos têm um risco 54% maior de ter câncer de próstata.
•Menor pressão arterial (redução de 5 a 10 mmHg) nos vegetarianos.

2.2 Assistência Estudantil:

Para todos nós; estudantes, professores e funcionários, a rotina de obrigações e prazos nos afasta do desejado equilíbrio alimentar, e para aqueles que são vegetarianos então, passar o dia na Universidade é um desafio. Não se trata apenas de comer, pois é até possível comer no campus Itaperi . Afinal existe a oferta das lanchonetes, que serve o almoço pela média de R$ 4,00 o prato. Entretanto esse valor está longe da realidade financeira estudantil, e não garante a qualidade protéica dos alimentos. No Centro de Humanidades (C.H), a realidade não é diferente do Itaperi. A importância de se garantir a alimentação a todos os estudantes tem a função de fornecer o devido acompanhamento aqueles que do serviço de Assistência necessitam.

2.3 Custo-benefício da proposta:

A alimentação vegetariana é simples de ser composta, além de ser mais saudável e de ter um custo mais baixo. Uma refeição básica composta de arroz (grupo de cereais), feijão (grupo de leguminosas), batata (grupo dos tubérculos), salada de verduras e legumes (grupo de verduras e legumes) e fruta como sobremesa expressa uma excelente combinação em termos de ingestão de nutrientes, já que combina grupos diversos de alimentos.

Essa combinação consegue fornecer todos os macronutrientes (proteínas, carboidratos e gorduras) necessários. Da mesma forma, a oferta de vitaminas e minerais é bastante significativa.

A carne, considerada como o prato principal, pode ser substituída por outra preparação a base de vegetais, como, por exemplo, uma lasanha vegetariana, macarrão com legumes ou sopas com componentes vegetais.

A refeição vegetariana é mais econômica. Uma refeição do tipo “bandejão” padrão é composta por:

Arroz 85 a 110g
Feijão 30 a 50g
Salada 50g
Guarnição(prato com carne)80g
Sobremesa 60 a 100g
Bebida 200 ml

O custo da carne equivale a cerca de 42% do custo total do prato. Assim sendo, retirar a carne do cardápio corresponderia a uma economia de 42%. A exclusão da carne seria compensada pelo acréscimo de alimentos vegetais. Calculando que esse acréscimo seria o suficiente para atingir o mesmo peso final do prato com carne, a economia de uma refeição vegetariana seria de 30%.

Somado a isso, manter um estabelecimento sem carne dispensa a necessidade de possuir refrigerador com temperatura negativa (produto de custo elevado), restando apenas o refrigerador com temperatura de até 10º C. Tornando assim a opção vegetariana mais saudável e menos dispendiosa.

3. A NOSSA DEFINIÇÃO DA OPÇÃO VEGETARIANA NO RU- UECE:

3.1 Acessibilidade:

- Mediante cadastramento prévio, todos os estudantes, professores e funcionários vinculados a UECE poderão ter acesso a opção vegetariana. Os casos flutuantes de demanda (público visitante, por exemplo) deverão ficar a critério da procura do dia e do planejamento e controle direto da Administração do Restaurante.

3.2 Atendimento:

- O atendimento poderá se dar através de Lista com nomes, tickets ou fichas previamente distribuídas.

3.3 Alguns exemplos de opções vegetarianas, preparadas para uma semana:

- Restaurante Universitário da UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (RU- UFC):
Almôndegas de cenoura, salpicão colorido, feijoada vegetariana, Strogonoff de legumes, torta de azeitona verde.

- Restaurante Universitário da UNIVERSIDADE DA BRASÍLIA (RU-UnB):
Tomate recheado com soja, soja com milho verde, torta de banana com soja, glúten acebolado, berinjela com molho de tomate.

- Restaurante Universitário da UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (RU-UFMG):
Lasanha de Soja, bolinho de grão-de-bico, torta colorida de legumes, lasanha de Soja, torta colorida de legumes.

4. A CONSTRUÇÃO DA OPÇÃO VEGETARIANA:

Como proposta inicial, sugerimos um recenseamento entre os estudantes para que se levante a demanda real entre o público estudantil. A idéia seria que, a partir da matrícula, fosse incluído um link que levaria até uma pesquisa de satisfação e de qualidade do RU, com a pergunta sobre a opção vegetariana inserida. De posse desses dados, naturalmente será mais fácil se pensar e se planejar um RU que atenda também o público vegetariano.

5. REFERÊNCIAS

- Restaurante Universitário da UFC, fone: (85)3366 9539.
- Projeto para opção vegetariana no Restaurante Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
- Memória da luta pela opção vegetariana da UECE. Comissão PRÓ-RU Vegetariano.

_________________
(1) Projeto de autoria da Comissão PRÓ-RU Vegetariano, que é uma iniciativa do corpo Estudantil da UECE.