27.3.09

Divulgação: Vivissecção na PUC Minas

Participação: Vegan Staff.org
Divulgação: Vivissecção na PUC Minas
Data: 27 de Março de 2009


FONTE: GATO NEGRO
A PUC Minas está se negando a receber cartas de objeção de consciência de seus(suas) alunos(as) do curso de Ciências Biológicas, que se recusam em aprender utilizando animais como objetos didáticos.
A objeção de consciência é um direito de todos e todas, previsto na Constituição Federal Brasileira, que diz que quando algo não está de acordo com a nossa ética e consciência, e esta não é obrigatória por lei, ninguém pode nos obrigar a fazê-la. E o uso de animais para o ensino não é obrigatório.
A PUC está infringindo a lei e uma pessoa denunciou ao Ministério Público. O MP marcou uma audiência para a quinta que vem, dia 2/04, às 16h, na Av Raja Gabaglia, 615, 2 andar. O MP irá averiguar a negativa da PUC quanto às cartas de objeção de consciência.
Os animais são seres sencientes, com interesses, incluindo os de não serem usados como objetos e propriedade por nós, humanos. Atualmente, temos diversas ferramentas e recursos para aprender sobre Ciências Biológicas, Zoologia, Medicina Veterinária, Psicologia, Medicina Humana, etc, sem submeter animais à morte e dor. A Interniche Brasil é uma rede nacional de estudantes e professores que defende a humanização do ensino superior através da substituição do uso prejudicial de animais (http://www.internichebrasil.org/). Há vários livros brasileiros sobre o assunto, incluindo o "Alternativas ao Uso de Animais Vivos na Educação" do biólogo Sérgio Greif. Portanto, o que ainda permanece na academia é o conservadorismo, a falta de diálogo com os alunos, a hierarquia, o autoritarismo...

Apoie os alunos e alunas

1- Envie um email apoiando a atitude destes/as estudantes e repudiando a ação da PUC Minas
Envie uma mensagem para: ouvidoria@virtual.pucminas.br, ciencias@pucminas.br

Sugestão de mensagem
Apóio os estudantes do curso Ciências Biológicas, e de qualquer outro curso da PUC Minas, que se recusam a estudar utilizando e matando animais em aulas práticas e trabalhos acadêmicos. Os animais são seres sencientes e não deveriam ser usados e mortos como objetos didáticos. Atualmente, cresce o número de pessoas, incluindo pesquisadores e cientistas, que buscam viver e trabalhar eticamente, sem usar nenhum animal como propriedade humana.
É um direito de cada estudante a objeção de consciência!
É um direito de todo ser, seja este humano ou não-humano, ser livre de qualquer escravidão!
Peço a PUC Minas que respeite a decisão dos estudantes de não utilizarem animais para aprender conteúdos científicos, e que adquira material didático ético, evitando assim a morte de animais. Consultem o site: Interniche Brasil e o livro Alternativas ao Uso de Animais Vivos na Educação de autoria do biólogo Sérgio Greif.
A ciência e seu avanço podem caminhar unidos à ética!

Atenciosamente,
NOME COMPLETO
RG
CIDADE - UF

2- Apresente você também a carta de objeção de consciência exigindo métodos educacionais éticos (para alunos/as de cursos que utilizam animais em aulas práticas)
Acesse AQUI para enviar a carta de objeção de consciência.

3- Compareça à audiência pública mostrando seu apoio aos estudantes
Exija uma atitude do Ministério Público ordenando que a PUC aceite os pedidos de objeção de consciência
Audiência Pública quinta-feira, dia 02/04, às 16h.
No Ministério Público. Av Raja Gabaglia, 615, 2 andar. Belo Horizonte - MG.


Mais informações: contato@gato-negro.org
http://gato-negro.org/blog/pucminas/


Em outros países
Desde 1876 na Inglaterra as universidades não utilizam animais em aulas práticas.
Nos Estados Unidos da América, 86% das universidades já eliminaram o uso de animais no ensino.
69,2% das universidades italianas aboliram o uso de animais em experimentos didáticos.

Fonte: TRÉZ, Thales. Instrumento Animal: o uso prejudicial de animais no ensino superior. SP: Canal 6, 2008.

Textos sobre a "necessidade" e a justificativa moral para a vivissecção
Autor: Gary Francione
http://www.gato-negro.org/content/view/97/48/
http://www.gato-negro.org/content/view/96/48/


O que é a objeção de consciência?
A objeção de consciência é um recurso com respaldo legal, contemplado pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, da qual o Brasil é signatário: "Todo homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião". É também um direito fundamentado na Constituição Brasileira, que afirma:

Artigo 3º - (...) IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação;
Artigo 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza (...), nos termos seguintes:
VI - é inviolável a liberdade de consciência (...);
VIII - ninguém será privado de direitos por motivos de (...) convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei.

Fonte: CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

26.3.09

PRAÇA VEGAN - SP/BRAZIL

PRAÇA VEGAN – O MANIFESTO
São Paulo, 26 de Março de 2009 – Brasil – América Latina, para o universo!

Do espaço público e seus conceitos:
Hoje a sociedade se encaixota em limites que um dia foram limitados por paredes emocionais, mas que agora, os limites passaram a ser construídos de concreto. Podemos, portanto, entender por público aquilo que é de domínio de todos, sem que haja um único possuidor. Público se opõe ao privado em todos os sentidos. Dá tonalidade de serventia a todos, e de todos emana a possibilidade de uso. Ontem, hoje e sempre sabemos que esses espaços, muitas vezes, representam apenas pontes de passagem dos nossos trajetos cotidianos. Lugares por onde andamos, que não são meus, nem seus. Uma ponte entre o privado e o privado. Espaço público, portanto, tornou-se um meio esquecido de convivência. Um meio esquecido de transformação.

Da apropriação do todo, para o todo:
Não é de hoje que estamos, pouco a pouco, nos apropriando do espaço público. É bem verdade que, originalmente, tudo assim o era. Fomos com o passar da história e de suas entrelinhas, demarcando os espaços. Cercando e limitando o acesso aos demais, em detrimento daqueles que “chegaram” primeiro. Eis que vivemos hoje em grandes cidades. Colossais monumentos que exaltam o dito progresso, que se erguem diante dos nossos olhos e nos aniquilam por completo. A vida perde valor, e, onde ela existia, agora se encontra uma placa: “Ocupado a serviço da Capital”. E quando não é assim, os espaços são resguardados dentre tanta fumaça, concreto e poluição, como verdadeiros aquários. Verdadeiros bolsões de vida, e que talvez queiram nos deixar subjetivamente claro o que nós tínhamos antes da nossa avassaladora civilização chegar. Talvez apenas com um “exemplo” do que é uma árvore. E isso talvez aconteça justamente para que os nossos filhos possam saber, ao menos, o que é uma árvore ao vivo, e não só imagens ilustradas em livros didáticos. De fato, não estamos lidando mais com uma dita “selva de pedra”. Hoje, é muito mais viável aceitarmos o fato de estarmos em um zoológico enorme: a cidade. Colocamos em jaulas alguns animais para que possamos observar. Colocamos em praças algumas árvores para que possamos admirar. Fatalmente, a cor cinza está contaminando a cor verde. E cada ponto verde que hoje é visto soa quase que como um verso rebelde em confronto com o cinza. Faremos, portanto, do cinza o verde. E do verde, uma grande poesia.

Da intervenção:

Não foi idealizada como um meio de segregar. Não foi idealizada como um meio de limitar. Ontem, apenas um lugar que os olhos dos empreendedores visariam lucros absurdos. Hoje, talvez um engodo para a vida. Dia 26 de Março de 2009 uma referência é dada como um ponto de encontro. Um local que fora esquecido pela sociedade que, hoje, passa a ser conhecida. 

Conhecida, e ocupada.
Conhecida, e utilizada.
Conhecida, e reciclada.



Amanhã, São Paulo acorda com um V no coração. Um V que será e poderá ser visto do mundo inteiro, graças aos modernos e destruidores moderadores de visualização, vulgo satélites.


V de Verde.
V de Vida.
V de Vingança.
V de Vegan.

Vegan que, aqui, serve também para renomear esta praça, e se relaciona diretamente, em seu conceito central, com a luta contra a Sociedade de Consumo, que por sua vez, culmina com a exploração animal de todas as espécies, sejam elas humanas ou não humanas. O público é nosso e façamos dele o nosso espaço. Você, de qualquer espécie, de qualquer gênero, de qualquer religião, de qualquer raça*, de qualquer idade, de qualquer atividade que desenvolva na sociedade e de qualquer qualquer, esteja à vontade para simplesmente passar, para simplesmente admirar, para simplesmente ignorar, para simplesmente intervencionar, ou para... simplesmente.





COORDENADAS:

Seguir a Av. Paulista sentido Consolação. Atravessar a Av. Consolação e continuar na Av. Paulista. Desta forma, a próxima praça à sua esquerda é a PRAÇA VEGAN!


*Refirimo-nos à “raça” por um ponto de vista social antropológico baseado em impressões fenotípicas e não pelo ponto de vista biológico, já que este último sabemos não existir.

20.3.09

Evento: VIDEO - MANIFESTAÇÃO INTERNACIONAL ANTIPELES

Participação: Vegan Staff.org e Projeto Extinção
Evento: VIDEO - MANIFESTAÇÃO INTERNACIONAL ANTIPELES
Data: 14 de Março de 2008 (SÁBADO)

O vídeo mostra a Manifestação contra o uso de couro e pele na indústria da moda, encabeçada pela VEGAN STAFF.org, pelo PROJETO EXTINÇÃO e pelo TIRM, ocorrida dia 14/03 em São Paulo, na R. Oscar Freire, simultaneamente à manifestação em Frankfurt organizada pelo TIRM contra os Fur and Fashion Market Days, feira de moda em peles que ocorre anualmente na Alemanha.


10.3.09

Evento: MANIFESTAÇÃO INTERNACIONAL ANTIPELES

Participação: Vegan Staff.org
Evento: MANIFESTAÇÃO INTERNACIONAL ANTIPELES
Data: 14 de Março de 2008 (SÁBADO)


MANIFESTAÇÃO INTERNACIONAL ANTIPELES

Data: 14/03/09, próximo sábado.
Horário: das 11h00 às 13h30.
Local: r. Oscar Freire, nº 855 (metrô consolação -> travessa da augusta,
da Haddok Lobo e da Bela Cintra, sentido jardins).

A VEGAN STAFF.org convoca a todos para o protesto e ação de panfletagem em apoio à grande manifestação alemã anual antipeles, encabeçada pelo grupo TIRM. Estaremos a caráter, andando e panfletando, com faixas e cartazes (leve o seu!), tudo em absoluto repúdio ao uso de pele animal em roupas e acessórios. Se formos poucos, estaremos performaticamente em silêncio; se muitos, faremos algum barulho.
Escolhemos a r. Oscar Freire por nela haver muitos estrangeiros e lojas DE RUA de grifes mundialmente grandes, muitas destas compactuantes com o uso de pele animal.

Vá! A causa é urgente não só na Alemanha, mas em todo o mundo!

Maiores informações:

TIRM - www.tirm.de
Manifestação Anual (com fotos) - http://www.fuf.tirm.de/index.php?lang=en
VEGAN STAFF.org: www.veganstaff.org
CMI: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2009/03/442422.shtml
BLOG: http://veganstaff.blogspot.com/2009/03/participacao-vegan-staff.html
E-MAIL: contato@veganstaff.org


Nos vemos nas ruas,

VEGAN STAFF.org




6.3.09

Evento: MANIFESTAÇÂO - MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES

Participação: Vegan Staff.org - SP
Evento: VEGAN STAFF.org na Marcha Mundial das Mulheres
Data: 08 de Março de 2009

A VEGAN STAFF.org estará, neste domingo, dia Mundial das Mulheres, na
Marcha Mundial das Mulheres, evento que acontece todo ano na Capital de
São Paulo. Vamos fazer uma ação de panfletagem, onde atrelaremos a Luta
pela Liberdade, como uma só luta.

Convidamos a todxs xs interessadxs a estar conosco, mostrando que, da
mesma forma que não deve existir opressão de gênero, também não deve
exisitr a de espécie. Aconselharemos a estenderem a não opressão às
espécies.

Estaremos concentradxs na catraca do *metrô Brigadeiro das 10:30 às 11:00
do domingo, dia 8 de Março.* Após este horário, seguiremos para a Marcha.
Estaremos uniformizadxs, com faixas e apitos. Após esse horário, será
fácil nos encontrar.

Contamos com a presença de todxs para mais essa ação.

Contatos e maiores informações, favor contatar-nos via e-mail:

marchamulheres@veganstaff.org

Neste evento, a VEGAN STAFF.org lançará mais um material, que é o Zine com
um texto da Carol Adams, sobre ecofeminismo. Este Zine irá compor
permanentemente a lista de produtos que disponibilizamos através de nossa
banca itinerante.

O texto do panfleto pode ser visto no site:

www.VEGAN STAFF.org

Divulgação:

Midia Independente