1.5.06

ATUAÇÃO EM RIBEIRÃO PRETO - ATO CIRCO I

Ato Circo I - Beto Carrero

As movimentações de grupos locais em Ribeirão Preto (interior de São Paulo) tiveram um feliz desfecho, visto que finalmente o Circo Beto Carrero foi obrigado a cancelar os espetáculos onde os animais lá aprisionados eram obrigados a praticarem acrobacias desnaturais às suas naturezas.
Assim que o circo chegou à cidade, diversos grupos, dentre eles a Vegan Staff-K1, iniciaram uma série de protestos, nas mais diferentes vertentes.
Tudo começou quando, após uma semana já instalado em uma das mais importantes avenidas da cidade, um grupo anônimo de proteção dos direitos dos animais, ligados à mesma rede que vem intervindo na mesma cidade desde algum tempo, espalhando mensagens do tipo: Seja Vegetariano (http://www.sejavegetariano.xpg.com.br/), atacou, exatamente na madrugada do dia 13 de março de 2006, de forma enérgica duas enormes placas do circo, onde estavam expostos os horários e dias das apresentações, inutilizando-as por completo. Houve ainda, na mesma madrugada, uma série de intervenções onde o tal grupo, com o visível uso de “rolinhos” e galões de tinta, escreveram com letras de tamanho consideráveis, a famosa frase já temida por donos inescrupulosos dessas enormes tendas de horror:

“Circo legal NÃO tem animal”.

E para a surpresa de todos aqueles que se admiraram e solidarizaram com a iniciativa desse grupo de vangurada na cidade interiorana, funcionários do Circo Beto Carrero foram flagrados apagando o termo “NÃO” da frase que havia aparecido, de forma inusitada e anônima em um enorme muro localizado bem à frente donde o circo havia se instalado.
A frase com a alteração dos dirigentes do circo ficou:
“Circo legal tem animal”.
Imediatamente isso chamou a atenção das demais organizações e membros independentes de atuação pela Libertação Animal na cidade.
O descontentamento com a atitude ousada tomada pelo Circo Beto Carrero foi tamanha, que já na terça-feira, dia 14, o grupo local RP - Revolução Preto, que atua na cidade através de intervenções urbanas, anunciou um ataque massivo de divulgação dos maus tratos em relação aos animais mantidos em cárcere em circos que ainda insistem em apresentações com animais.
Na noite deste mesmo dia 14 foram iniciados as movimentações da RP – Revolução Preto que através de cartazes estilo “Lamb-Lamb”, invadiram a parte Sul e Centro da cidade, não só em pontos onde haveria um maior numero de transeuntes, mas também em todos os lugares possíveis onde também carros pudessem enxergar o protesto, que teve o objetivo maior de alertar a população para os maus tratos advindos dos “adestradores” do Circo Beto Carrero.
A ação da RP – Revolução Preto durou todas as noites dessa semana, onde seus membros e auxiliares pontualmente se reuniam para “colar” as mensagens positivas em postes e muros de áreas da cidade.
Na tarde de quart-feira, dia 15, a Vegan Staff – K1, após tomar conhecimento dos fatos e altamente encorajada pelas ações já realizadas na cidade, fez contato direto com membros da RP – Revolução Preto para que juntos viabilizassem algo “maior” para o inicio do fim de semana, tão logo os dias de maior movimento no circo.
Foi realizado contatos virtuais com a ANIDA-RJ - Associação Nacional pela Implementação dos Direitos dos Animais (www.animaisdecirco.org), através de membros internos da Vegan Staff-RJ, donde foram captadas todas as informações necessárias para uma outra modalidade de protesto, que seria algo ligado à justiça estatal.
A ANIDA – RJ já é conhecida nacionalmente através de sua Diretora Geral, Dra. Andrea Lambert, que foi uma das principais articuladoras da vanguarda das leis de proibição de animais em circos no Brasil.
Muitos e-mails trocados e a Vegan Staff-K1 deu inicio à seus trabalhos.
A ANIDA-RJ havia nos passado todas as coordenadas para que pudéssemos intervir, por um denuncia junto ao Ministério Publico, que se utilizaria da Lei nº 11.077/05 que já previa a proibição de animais em espetáculos circenses, no âmbito estadual.
Durante esta mesma tarde, membros da Vegan Staff sabotaram as cercas e conseguiram fotos dos animais aprisionados, sendo eles, 13 gatos e 3 cavalos, que seriam utilizados como prova documental para a denuncia.
Conforme instruções recebidas da Dra. Andrea, seria melhor estarmos em conjunto com um ONG devidamente legalizada para que a denuncia tivesse um impacto maior sobre a mídia. E na quinta-feira, 16 de março, uma união perfeita foi realizada com a ONG AVA – Associação Vida Animal, que demonstrou total empenho em estar ao nosso lado, não só nesta batalha judicial, mas também no protesto que já estava sendo divulgado para a sexta-feira, dia 17.
Os tramites judiciais, portanto, ficaram sob responsabilidade da AVA, a RP – Revolução Preto tomava conta das intervenções urbanas intitulada: “Brigada Anti-Circo” e a Vegan Staff-K1, por sua vez, dedicava-se na organização do protesto publico do dia 17.
Eis o dia! A sexta-feira começou cedo para que todos os documentos, dentre eles as fotos, fossem entregues a AVA que seguiu imediatamente com os trâmites iniciais da denúncia.
Às 19:00 do dia 17, sexta-feira, horário marcado para o inicio do protesto, membros da RP – Revolução Preto já estavam à postos, logo seguidos por membros da Vegan Staff-K1 e AVA, além de agentes independentes que estavam de total acordo com a movimentação.
Com o inicio da panfletagem, logo já estavam aglomerados os representantes da mídia local, representantes legais do Circo Beto Carreo e também seus enormes seguranças.
Com a chegada de membros da AVA que gentilmente nos cedeu o uso de um mega-fone, a manifestação finalmente tomou corpo, e tornou-se, de fato, grandiosa.
Antes da chegada da Policia local, houve muita discussão e violência por parte dos funcionários do Circo Beto Carrero, havendo inclusive, uma ocasião em que um membro da RP – Revolução Preto foi brutalmente atacado por “palhaço” (literalmente falando) que atuava no Circo.
Salvo estes momentos de muita tensão, o protesto deu-se de forma pacifica e contou com cerca de 20 manifestantes que por pouco mais de 2 horas ocuparam a avenida defronte ao Circo Beto Carrero, em sua visita pela cidade de Ribeirão Preto – SP.
O desfecho deu-se, já na terça-feira seguinte, onde representantes legais do Circo Beto Carrero foram convocados a estarem presentes junto ao Ministério Publico, em sua sede na própria cidade de Ribeirão Preto, onde finalmente, tiveram que assinar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) ficando, portanto, suspenso os espetáculos com animais.

Links com as matérias da mídia local:

http://www.gazetaderibeirao.com.br/conteudo/mostra_noticia.asp?noticia=1425312&area=92020&authent=30758B9A95512089CC800105E89982

http://www.jornalacidade.com.br/geral/ver_news.php?pid=33&nid=35583


“O Beto Carrero e sua quadrilha sabem da Lei que proíbe esse tipo de apresentação, onde animais são obrigados a atuarem nos palcos, mas mesmo assim, é pratica comum, não só do Beto Carrero, como outros donos de circos, levarem seus animais nas turnês para as cidades. Se a sociedade local não se mobilizar, eles fazem as apresentações, e quando reclamam, eles simplesmente paralizam as mesmas, mantendo ainda seus animais presos em minúsculas jaulas e com tratamento precário. Atuamos de forma enérgica em Ribeirão Preto... E no que depender da VEGAN STAFF, muito em breve eles não terão nem como, nem ONDE transportar esses animais...” – Amir Abdul – VEGAN STAFF




Fotos por: Rogener Pavinski