29.4.06

Evento: Carta Aberta – Declaração Vegan Staff – NF

Participação: Vegan Staff

Evento: Carta Aberta – Declaração Vegan Staff – NF

Data: 29/04/2006


É com o intuito e pretensão de revolucionar e romper de uma vez por todas os laços que prendem uma sociedade extremamente mal informada a um sistema de exploração, vampírico e assassino para com os animais, únicos seres realmente inocentes do planeta, e aos danos que as barbáries cometidas aos animais acabam por causar à nossa amada mãe - Terra que a Vegan Staff – Capítulo NF nasce e da voz, corpo e ação à luta pela libertação animal e humana em Nova Friburgo, região serrana do estado do Rio de Janeiro, Brasil...

Onde quer que seja, até que nenhuma gota de sangue seja mais derramada em nome da obtenção, manutenção e ostentação de lucro. É uma promessa de vida e até de morte se for preciso dizer que não descansarei enquanto não tiver a certeza de que no futuro estaremos vivendo em uma sociedade que aprendeu que somente uma relação de harmonia, equilíbrio e respeito para com as outras formas de vida do planeta é que poderemos ter certeza da perpetuação da existência humana e do planeta vivo no Universo.

Felipe - Vegan Staff – NF

18.4.06

CONTATO

Participação: Vegan Staff – RJ

Evento: Articulação com ONG Vagalume o Verde

Data: 18/04/2006

Na noite de 18 de Abril, a Vegan Staff esteve presente em reunião prólogo do Programa Voluntariado Horto Florestal 2006 do V.O.V. – Vagalume O Verde.

“O V.O.V. é uma organização sócio cultural e ambiental, sem fins lucrativos, fundada em Dzembro de 2004 por moradores e amigos do Horto e do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

O V.O.V. reúne pessoas de diversas formações profissionais, e que durante o ano de 2005 e o verão de 2006 realizaram voluntariamente ações junto a comunidade do Horto Florestal.

Atualmente o V.O.V. está preparando seu programa de responsabilidade social para as comunidades do Horto e adjacências.

O programa de responsabilidade social do V.O.V. atualmente depende de voluntariado e está entrando em fase de capitação de recursos através de parcerias público e privadas.” – Trecho retirado da Cartilha: Programa Voluntariado Horto Florestal 2006 (vagalume@onode.net)

Na ocasião do evento, a Vegan Staff esteve presente por conta de um contato prévio com membro do “Projeto Raízes – O Crudivorismo como resgate de nossas origens” (que versa sobre o uso da alimentação crua como forma de sustentabilidade ética efetiva) (projetoraizes@yahoo.com.br), coordenado por Bruno Fernandes, também membro da Vegan Staff.

A atuação da Vegan Staff – RJ será a de suporte ao “Projeto Raizes”, esta sim, diretamente ligado ao V.O.V.

A Vegan Staff, portanto, ligado indiretamente ao V.O.V. através do Projeto Raízes, realizará mostra de vídeos e inicialização de debates e discussões com o intuito de levar a verdadeira face da crueldade com os Inocentes e o desrespeito ao Meio-Ambiente encabeçado pela ganância humana em nome do Lucro.

Já o Projeto Raízes, por sua vez, fechará o programa de parceria dando oficinas praticas sobre alimentação crudivora, além de mostrar os benefícios para os animais humanos ou não e para o Meio-Ambiente de tal dieta, tudo aos cuidados de seu idealizador, Bruno Fernandes – Projeto Raízes.

Vegan Staff – RJ

7.4.06

Evento: Protesto KFC

Participação: Vegan Staff – RJ

Evento: Protesto KFC

Data: 07/04/2006

PETA – People for the Ethical Treatment of Animals (www.peta.org) - representada no Brasil neste ato pela Ação Vegana (www.acaovegana.org), e com a participação de outros grupos como a Vegan Staff (www.veganstaff.org), realizou uma manifestação que se deu de forma pacifica e organizada.

Marcada para começar às 12:00 desse dia 07 de Abril, ativistas ligados aos grupos locais ou independentes estavam prontos para a manifestação, que contaria ainda, com um grupo de ativistas teatrais que iria fazer uma encenação dentro de uma gaiola improvisada em frente ao estabelecimento, simulando os frangos cruelmente engaiolados e posteriormente assassinados para suprir o consumo de quem freqüenta a KFC (www.kentuckyfriedcruelty.com).

A Manifestação aconteceu em frente a uma loja dessa rede de fast-food, no centro da cidade do Rio de Janeiro, que usa métodos cruéis de criação e abate de animais.

Foram exibidos cartazes (infelizmente alguns em língua inglesa) e distribuídos panfletos informativos aos transeuntes e aos que entravam no estabelecimento.

A imprensa estava presente, devido a uma comunicação prévia.

Por volta das 13:30, a organização do evento (Ação Vegana) decide encerrar a manifestação, que mais uma vez, atingiu redes internacionais de divulgação de Crueldade contra Inocentes.

Luana Magalhães – Vegan Staff - RJ

1.4.06

MANIFESTAÇÃO

Participação: Vegan Staff - RJ

Evento: Manifestação - Ato Pele II

Data: 01/04/2006

Seguindo a agenda dos protestos da Vegan Staff, no final da semana do dia 04 de abril de 2006, a Vegan Staff, em parceria integrante com a UALA – União dos Ativistas pela Libertação Animal, esteve presente em mais uma manifestação contra o uso de peles no mercado da moda.

Segue abaixo o relato de um ativista que participou da manifestação:

Ato contra o uso de pele animal "termina" na DP:
A recém formada rede de ativistas U.A.L.A. causou muito barulho e polemica em seu primeiro ato, realizado nesse último sábado na cidade do Rio de Janeiro. O grupo que reúne anarcopunx, libertários, ambientalistas e sxes, escolheu como primeiro alvo uma loja da etiqueta "Pascale Vuylsteke", no bairro de Ipanema. O motivo do protesto foi o fato da comercialização neste recinto de apetrechos derivados da dor e do sofrimento animal, tais como: bolsas, cintos e casacos de pele.
O ato contou com a distribuição de panfletos com informações contra o uso da pele animal e se iniciou sob o sol escaldante do meio dia. Os manifestantes gritavam palavras de luta como"Qual o valor do sofrimento, casaco de pele é morte e tormento!!!". "Couro é pele e pele é morte", "O seu lucro é sofrimento e os animais estão morrendo!!!", além de batuques e cartazes.
Destaque para a performance teatral realizada, em que uma ativista interpretava um tigre e estava vestida com um casaco representando sua pele . Um trabalho praticamente muito bonito em seu corpo, todo pintado com as manchas do tigre, exceto por baixo do casaco(representando a pele do tigre) que estava todo pintado de vermelho( representando o sangue). A performance do abate foi realmente chocante, nas porta da loja a "tigresa" gritava e gemia de dor enquanto sua "pele" era retirada . Finalmente revelava-se a parte vermelha pintada em seu corpo, agora somente com as roupas íntimas, enquanto a ativista gemia e se contorcia. Tudo isso sobre o olhar espantado, curioso e atento da população . Ao final da performance a "pele" retirada era colocada pelo "carrasco" em um cabide e etiquetada $$$$$$ enquanto outro ativista gritava sobre o sacrifício animal e o lucro dessas grandes corporações que lucram com a tortura e a dor de seres inocentes. Simultaneamente uma outra ativista pintou o contorno em volta da "tigresa" com tinta vermelha no chão e puxou uma seta em diração a Pascale Vuysteke, na qual podia se ler em letras enormes e vermelhas "AQUI VENDE-SE A MORTE".

Neste momento o desespero do segurança da loja ia aos limites ( ele já estava tentando nos provocar a muito tempo para arrumar um pretexto para acabar com o ato) e o mesmo resolveu, como ele mesmo disse, acionar a força policial. Não havia nenhum argumento plausível para tal, visto que o ato transcorria de forma pacífica. O tiro "saiu pela culatra" e a população parou em peso para ver o que estava acontecendo. Diversas pessoas, na maioria de mais idade (as velhinhas se afeiçoaram com a nossa causa) começaram a nos defender "Vocês vão prender eles porque?Eu estou vendo o ato deles, eles não estão fazendo nada demais", "Isso é um absurdo" e foram várias "velhinhas com bochechas rosadas" nos apoiando. "Se vocês levarem eles eu vou ligar para a Rede Globo!" Queriam levar apenas dois companheiros, mas dissemos que "Se levar um, vai ter que levar todos" e fomos tod@s para DP.
Na décima quarta delegacia de polícia o segurança passou por ridículo. Após seu depoimento, o delegado perguntou sem rodeios "Ok, entendi o que aconteceu, mas você quer que eu os autue por o que?Onde que está o crime?", o segurança respondeu extasiado "Eles ficaram na porta da loja fazendo protesto", o delegado retrucou "A calçada é pública e eles podem se manifestar desde que não fiquem na entrada da loja". Desesperado o segurança ainda alegou " Eles ofenderam minha honra, um deles jogou beijinho para mim e aquele argentino lá, duvido que ele tenha documento, deve estar ilegal no Brasil" e o delegado respondeu furioso" Eu pedi o documento de alguém aqui?Acho que não né?Inclusive não pedi o seu, então cala a boca". O segurança já não tinha mais o que falar, alegou que havíamos nos declarado ateus, que havíamos provocado ele, mas nada adiantou. Por fim ao sermos liberados, o segurança perguntou "Mas eles vão poder voltar para loja?", e o delegado disse para finalizar "Não só podem como devem, inclusive eu acho que essa questão de casaco de pele é algo muito pessoal, mas eu acho um absurdo, sou totalmente contra o uso e venda desses casacos".

A cara do segurança foi no chão. Voltamos para loja, ela havia fechado pois não poderia funcionar sem o segurança e na calçada ainda se lia as inscrições "Aqui vende-se a morte".
É compaheir@s , o "tiro" do segurança saiu pela culatra e conseguimos uma pequena vitória na luta pelos direitos dos animais. Espero que muitas outras estejam por vir.” - Relato por Ratão - integrante da Cicap e do U.A.L.A.

Este foi mais um ato de participação da Vegan Staff que iniciou a batalha contra o uso de peles no mercado da moda, em manifestação inicial ocorrida em meados de 2005, no “Rio Fashion Week” sob titulo: “Moda SIM, mas com consciência”.

A Vegan Staff se compromete a sempre estar na linha de frente nessa luta até que criemos consciência de que: “PELE = COURO = MORTE!”

Vegan Staff – RJ